Duas histórias de meninos – Luís Pimentel

 

  

Boniteza

 

A menina ficou olhando a mãe, enquanto ela espremia laranja, cortava o mamão, colocava a fatia de pão na torradeira e despejava pó de café no coador.

A mãe andava de um lado para o outro, entre a copa e a cozinha, a mesa e o fogão. A menina acompanhava com os olhos cada passo da mãe. A mãe percebeu e perguntou por que você me olha tanto, minha filha? Está me achando bonita?

A menina respondeu que sim e quis saber:

– Será que um dia vou ser tão bonita quanto você?

– Você já é bonita, meu amor. Você é linda – disse a mãe, dando um beijo na testa da menina e levantando com os dedos os fios de sua franja.

A menina bebeu suco, comeu mamão, tomou café com pão, colocou a mochila da escola nas costas e, antes de sair, parou diante da porta:

– Sou bonita mesmo?

– A mais bonita que eu conheço.

– Que bom. Vou dizer isto ao Serginho, um menino bobo que está me esnobando.

  

Alecrim

 O menino seguia com o cachorro, conduzindo-o por uma coleirinha improvisada de corda, e o homem que estava parado na esquina quis saber:

De quem é esse cachorro?

– É meu – respondeu o menino.

– Como é o nome dele?

– Alecrim.

– Isso não é nome de cachorro.

– Não?

– Não. Nome de cachorro é Rex, Guerreiro, Tupy… Alecrim é nome de tempero.

– Lá é casa é nome de cachorro…

– Está bem. Que idade tem ele?

– É novo. Tem a minha idade.

– Sei. Você empresta para eu dar umas voltas?

– Não.

– Eu sempre  quis passear com um cachorro. Eu te empresto a minha bicicleta.

– De jeito nenhum.

– Tem medo de eu não devolver? Se eu sumir com ele, você fica com a bicicleta. É bem mais nova do que o Alecrim.

– Pode até ser. Mas ela não lambe o meu pé.

 Para ler mais sobre Luís Pimentel, clique aqui.

  

4 thoughts on “Duas histórias de meninos – Luís Pimentel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.