Quando o poder dá as cartas

Tavinho Paes

quando o poder dá as cartas

falta um coringa no baralho

os ases se sentem reis

as rainhas andam com valetes

a sueca vira buraco

onde cada canastrão bate

pega o morto

e sai atrás de ouros

onde sobram copas, paus e espadas

até perder o que era pra ganhar

sem saber o que foi apostado

quando o poder dá as cartas

o baralho está sempre marcado

joga-se a paixão contra a ilusão

e quem tem as cartas na mão

nem sempre tem a sorte

ao seu lado

e trapaceia

por pura falta de opção

quando o poder dá as cartas

o jogo vira trabalho

a carta que cada um tem na manga

é sempre aquele coringa

que falta no baralho.

Tavinho Paes é poeta e compositor. Como poeta publicou mais de 100 títulos em edições independentes. Fez parte da chamada “geração mimeógrafo” dos anos 70. Como compositor, assina letras de mais de 200 músicas gravadas por artistas como Caetano Veloso, Gal Costa, Bethânia, Marina Lima, Marisa Monte, Gilberto Gil, Lobão, Rita Lee, Ney Matogrosso. Foi editor de O Pasquim e Rio Capital. Tavinho é um poeta multimídia, tem mais de 10 canais ativos na web e figura emblemática da cena poética do Rio de Janeiro.

Fonte: Blog do Noblat

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.