Seminário de Avaliação da Política de Ações Afirmativas

Em agosto de 2003, a UEFS foi instada pelo movimento social negro a debater políticas de ações afirmativas para negras e negros. Após a constatação, por esta instituição, da notória sub-representação de afro-brasileiros estudantes de escola pública entre os cursos, o CONSU (Conselho Superior Universitário) aprovou, em outubro de 2004, a adoção de políticas de ações afirmativas para grupos historicamente excluídos/subalternizados, estabelecendo, a partir do ProSel (Processo Seletivo) 2007.1, cotas de 50% das vagas dos cursos de graduação da UEFS para estudantes de escola pública, sendo 80% dessas para os auto-declarados negros (pretos e pardos) e mais duas vagas, em cada curso de graduação, para indígenas e/ou quilombolas.

Reconhecendo a necessidade de imediata adequação da Universidade às novas  exigências, oriundas da medida assumida, o CONSU estabeleceu a necessária  implantação de uma política de permanência. Esta política tem sido acompanhada por uma comissão, constituída pelos segmentos representativos dos grupos atendidos pela reserva de vagas, bem como pelas comunidades e instâncias acadêmicas. A referida  comissão entende que, para além das discussões e acompanhamento das ações implementadas, faz-se necessário estabelecer uma avaliação, a partir da comunidade universitária, da política de ações afirmativas da UEFS (acesso e permanência). Daí a
justificativa para realização do I Seminário de Avaliação da Política de Ações  Afirmativas.

Objetivos

O seminário tem como objetivo promover o debate sobre a Política de Ações  Afirmativas da Universidade Estadual de Feira de Santana, visando refletir sobre os impactos gerados e sobre a construção de instrumentos avaliativos para a mesma, com intuito de aperfeiçoá-los.

 

Observação: O cartaz  do evento foi produzido pelo artista visual George Lima,  especialmente para a CAA – Comissão de Ações Afirmativas da UEFS. Trata-se de  uma pintura sobre tela – técnica mista (argila, coletada no próprio campus da  instituição e carvão vegetal).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.